Rádio Bagual > Rádios ao vivo Online FM Ouvir
  Rádios ao vivo Online FM Ouvir

Menu de rádio
Outro
Bem vindo de volta.
00s 40s 60s 70s 80s 90s Acre Adulta adulto contemporâneo Alagoas Amapá Amazonas Ananindeua Anápolis Araçatuba Araguari Arapiraca Araranguá Automobilismo Bagé Bahia Balneário Camboriú Barbacena Barreiras Barretos Bauru Belém Belo Horizonte Bento Gonalves Betim Blues Blumenau bossa nova brasileiro Campos Dos Goytacazes Canções de amor Canoinhas Católica Ceará christian Classical Comunitárias conversa cristão Cuapiaçu Curitiba Dance Distrito Federal eclectic Espirito Santo Esportes Flashback Florianópolis folk funk Futebol Goiânia Goiás Goioxim Gospel Governador Valadares Gravatá Guanambi Guarapuava Hits Ilhéus Instrumental Itaguai Itapuranga Jazz Jornalismo Kpop Manaus Maranhão Maringá Mato Grosso do Sul Minas Gerais MPB notícia Oldies Pará Paraná Pernambuco pop Pop-Rock Popular Popular 1 Popular 2 Popular 3 Popular 4 Porto Alegre Recife reggae Retro Rio de Janeiro Rio Grande do Sul Rock romantic romântico Samba Santa Catarina Santos São Paulo sartanejo Sertaneja Sorocaba Telemaco Borba Top 40 Três Lagoas Vila Velha Web

Rádio Bagual

Tipos de rádio: Balneário Camboriú

  

ADS
Rádio Bagual Ouvir Rádios Online Grátis Brasil Qualidade e Transmissão İninterrupta. Eu disse-te. Este tipo gosta de ti. Não quero falar sobre isso. Vou para o meu quarto. Acaba o jantar. Não entres. Estou a dormir. O Hugo está a dormir. Porquê que agiste de forma tão estranha? O que se passa? O que achas que se passa? Estou enferrujada. Não me sinto preparada para sair com ninguém. Quando foi a última vez? Há cinco anos. -Quando foi a última vez que tu -Cinco anos. A sério? Já chega! Estás a falar a sério? Para de te rir. A padaria tem estado fechada há algum tempo. Os teus bolos vão ficar com mofo. És tão idiota. Meu Deus, do que estás à espera? Não sei. Gostas deste gringo? Tu gostas deste gringo! Então vai! Tenho medo. Sabes o que faço quando tenho medo? Rezar? Beber. Meu Deus, deixa a minha padaria em paz. Não me fales da minha padaria. Não, a sério Eu não sei como consegues continuar, apesar de todo esse sofrimento, continuar, sempre, a seguir em frente Consigo por causa do Hugo. Do Hugo? Como? Quando o meu marido morreu, havia dias que nem conseguia respirar. Mas como é que se explica a uma criança que ela tem de tomar conta de si própria porque a mãe dela se quer fechar no quarto a chorar? Não podes. Mas eu tenho um truque para quando estou muito triste me animar. Antidepressivos? Não, ouve Pego numa canção triste qualquer e transformo-a numa salsa. Uma música triste? Que tal a The Sad One? Vamos lá. Estás a pisar-me. Vamos lá! The Sad One! Vamos lá! Estou a adormecer, isto não é salsa. Mãe. Mãe! Hugo! Acordaste? Sim. Estavas a cantar muito alto e a ir contra as coisas. Vai dormir. Vão os dois. Muito bem. Vês? Não estás assim tão enferrujada, tudo o que precisas é de relaxar e divertir-te. Só isso. Não te importas mesmo de o levar à festa? Será a maior honra da minha vida. Vamos! Vá lá! Manda-lhe uma mensagem. Esta é a minha irmã! Chega! Hugo. Não podes julgar. Desculpe ter derramado. O que raio me aconteceu? Olha o que um gato trouxe! -É dia de receber. -Boa! Obrigado. E o resto? Tenta alimentar gatos com esse ordenado. É miau-rrível! ACABOU O TEMPO PAGA AGORA OU LAMBEREMOS O TEU RABO DESCULPA, PONTAPEAREMOS O TEU RABO DESCULPA OUTRA VEZ, QUIS DIZER QUEREMOS O NOSSO DINHEIRO VELHOTE! Velhote? Não por muito tempo. Façam magia. Aprecia a glória da criação de Deus. Pintaste o cabelo? Todinho. Fiz uma mudança. Talvez da próxima vez possam mudar o teu cérebro. Sei perfeitamente Estou muito bem. Muito bem. Adoro-te, cara de parvo. Também te adoro, maninha. O que estás a dizer ao teu pai hoje? Só que estou muito entusiasmado por ir à festa da Arden. E que estou grato por ires comigo. Arranjei isso para ti. Para dormires melhor. Dá-me um pedaço de papel, Hugo. Também quero escrever uma carta. A quem? Ao meu pai. Quero contar-lhe sobre o meu sobrinho fantástico. Podemos fazer isto todas as noites? Claro. Podia ser uma coisa nossa. Puxa o meu dedo. Tarde demais. Desculpa. -É hoje a festa! -A sério? Não tenho pensado muito nisso. A mamã vai levar-me a cortar o cabelo. Diz-lhe que não queres muito curto. Não tens orelhas para isso. Porque não te calas? Não tens boca para isso. Hugo, anda cá. Consegui chegar à parede! O que aconteceu? É bom ter-te aqui.

Comentários

Nenhuma resenha encontrada

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

*