Rádio Transamérica 99.7 FM > Rádios ao vivo Online FM Ouvir
  Rádios ao vivo Online FM Ouvir

Menu de rádio
Outro
Bem vindo de volta.
00s 40s 60s 70s 80s 90s Acre Adulta adulto contemporâneo Alagoas Amapá Amazonas Ananindeua Anápolis Araçatuba Araguari Arapiraca Araranguá Automobilismo Bagé Bahia Balneário Camboriú Barbacena Barreiras Barretos Bauru Belém Belo Horizonte Bento Gonalves Betim Blues Blumenau Bom Successo bossa nova brasileiro Campos Dos Goytacazes Canções de amor Canoinhas Católica Ceará christian Classical Comunitárias conversa cristão cristão contemporâneo Cuapiaçu Curitiba dança Dance Distrito Federal eclectic eletrônico Espirito Santo Esportes Flashback Florianópolis folk Fortaleza funk Futebol Goiânia Goiás Goioxim Gospel Governador Valadares Gravatá Guanambi Guarapuava Hits Ilhéus Instrumental Itaguai Itapuranga Jazz Jornalismo Kalore Kpop Manaus Maranhão Maringá Mato Grosso do Sul Minas Gerais MPB notícia Oldies Pará Paraná Pernambuco pop Pop-Rock Popular Popular 1 Popular 2 Popular 3 Popular 4 Porto Alegre Recife reggae Retro Ribeira Rio de Janeiro Rio Grande do Sul Rock rock clássico rock'n'roll romantic romântico Samba Santa Catarina Santos São Paulo sartanejo Sertaneja Sorocaba Telemaco Borba Tiete Top 40 top40 Três Lagoas Vila Velha Web

Rádio Transamérica 99.7 FM

Tipos de rádio: Balneário Camboriú

  

ADS
Rádio Transamérica 99.7 FM Ouvir Rádios Online Grátis Brasil Qualidade e Transmissão İninterrupta. Adicione ao seu site. Caso tivesse tido êxito, teria sido enaltecido como um herói. Mas falhou! Mandei homens para a morte! Centenas, milhares deles! O sangue deles encharca-me as mãos. Os homens cumprem o seu dever e nós cumprimos o nosso. Temos de viver com a culpa. Mas vivemos. E os comandantes ainda não aprenderam, porque não querem aprender. Mantêm-se longe dos campos de batalha e não vêem os custos! Olhos arrancados pelas balas dos atiradores. Pernas arrancadas por minas. Sangue na espuma do mar. É isso que os homens vêem! É isso que enfrentam! Metade dos homens hoje naqueles navios serão cadáveres em decomposição amanhã! Basta! O meu noivo está num daqueles navios. Acho que está. Ele não pode dizer-me ao certo. Qual é a patente dele? É aspirante da Marinha. Num contratorpedeiro. Arthur. Arthur Clayton. Como se conheceram? Crescemos juntos, em Portsmouth. Ele diz que vai cuidar de mim e da minha mãe. O meu pai esteve na ª Guerra. Ainda não recuperou. Não consegue trabalhar. O Arthur diz que, quando voltar, vamos arranjar uma casinha junto ao mar. E enchemo-la de filhos. Teremos rosas a ladear a porta. Eu quero acreditar que não vou acabar como a minha mãe e as irmãs dela, com os seus homens mortos, mutilados ou traumatizados. Quero acreditar que eles vão ficar bem. Que ele vai ficar bem. Não quero ouvir que o homem que amo poderá morrer dentro de poucas horas! E não quero ouvi-lo de si. Pensava que era o homem mais corajoso de Inglaterra. Desculpe. Não tenho o direito. Não. Tem... todo o direito. Venha. Sente-se. Obrigada. Tenho de me vestir. Preciso da tua ajuda. De que estás a falar? Do dever. Vais-te embora? Não posso, pois não? Sei que não tenho sido um verdadeiro companheiro para ti há já algum tempo. Esta guerra exige tudo de mim. E ser um líder não é coisa fácil. Também não é muito fácil ser casada com um. Disponível para te apoiar e amparar sempre que precises. Com boa disposição e uma gentileza inabalável. Às vezes gostaria de poder viver a minha própria vida. Serias capaz de o fazer? Tive de aprender a viver em torno de ti. Muitas vezes me perguntei se não haveria outro homem. Importar-te-ias se houvesse? Tremendamente. Não te fiz feliz, pois não? Fizeste. Por vezes, mesmo muito. Mas agora... Win, não sei como te ajudar se tu não percebes o que tens de fazer. As Mulheres Voluntárias. Não devemos fazê-las esperar. Não. Eu vou descendo. Briggs. Já recebeu algumas notícias do Almirantado? Sim. O Aspirante Arthur Clayton está num navio que se dirige para a praia de Juno. Estão na primeira vaga. Contam com muito fogo alemão. Lamento. Obrigado, Briggs. Já devem estar perto. Tantos jovens... Tal como na última guerra. Pouco mais do que miúdos. Eles cresceram com esta guerra. São corajosos. Demasiado novos para saberem o que é ter medo. O que dirás amanhã? Não sei. Depende das notícias. Não, não depende. Aconteça o que acontecer esta noite, tens de lhes dar esperança. Mesmo que morram ., não podes deixar as suas mulheres, mães e filhos a pensar que eles morreram em vão. Tens de os acompanhar, dar um propósito ao seu sacrifício.

Comentários

Nenhuma resenha encontrada

Escreva um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

*