Radio Difusora 87.9 FM Santa Isabel Do Para

Radio Difusora 87.9 FM Santa Isabel Do Para, Radio Difusora 87.9 FM Santa Isabel Do Para ao Vivo Online


Adicione ao seu site.

deixá-los aí fora? São os ovos da minha mãe! Não quero ver mais ovos, por favor. Sabe que estou bêbada? Vamos sair. -Aonde vamos? -Respirar um pouco de ar fresco. -É de manhã! -É sim. Nesta hora, meu pai já estava no campo. Suas pernas não estão aguentando, hein? O que está dizendo? Sou mais forte que você. Quer ver? -Como, mais forte? -Quer ver? Quer ver? Vou pegá-lo no colo. Veja só. O que está fazendo? Largue-me! Caramba! Não pensava que você era tão forte! -Do que está rindo? -Dos ovos. Por favor, estou com a barriga explodindo! Se eu fecho os olhos, só vejo ovos. Então, não feche. Mas, vejo-os mesmo com os olhos abertos. Meu Deus! Fogos-de-bengala! Vão bombardear a ponte! Fique tranquila. Já acabou. Não tive medo. Com você, agora entendi tantas coisas, Antò. Quero ficar com você para sempre, por toda a vida. Posso mesmo ir até o fim do mundo! Quantos dias se passaram? Oito. Não, dez. Dois dias. Só dois dias! -Socorro! -Eu mato você! Antò! Socorro! Feche! Feche, porque ele quer me matar! Coitada! Eu mato todos vocês! Antò! Não faça isso! -O que aconteceu? -Nada, nada. Como, nada? Nada. Nada, não sei o que acontece com ele. Parece tão calmo, mas, depois fica branco e com os olhos saltando para fora. Ontem apertou o meu pescoço, assim. Como me magoou! Eu desmaiei. Caí no chão. As pessoas em volta me acudiram e jogaram um balde de água em mim. Ele se fechou na cozinha e não queria sair. “Maldito seja o dia em que me casei com você”, ele gritava. Sei lá por que razão. Não sei mesmo. Sargento! Está aqui! Antonio! Esperem! Esperem! Esperem um momento! Vou fazê-lo sair, esperem. Vou fazê-lo sair. Vou fazê-lo sair. Não, eu vou fazê-lo sair. Esperem, não fará nada. Ele não vai fazer nada. Fiquem quietos. Não o machuquem, fiquem quietos! Antò, saia daí! Não lhe farão nada, eu juro! Antò, saia daí! Antonio, está ouvindo? Antò! Antò! Antò! Vá para casa! Vá para casa, já! Não o machuquem! Não o machuquem! Tenham paciência, não o machuquem! Não o machuquem! Quero saber por quê! Quero o diretor! Quero o diretor! Quero o diretor, aqui embaixo! Quero saber por que estou aqui dentro! Todos sabem que sou São José! Sim, é São José, eu garanto! Antonio. O que está fazendo? O que é isso? Venha Radio senhora. -Você é tão maluco quanto eu. -Doutor! A escolha é dele. Se prefere ser processado ou ir como voluntário para a Rússia. Entendido? Primeiro pelotão, suba no vagão à direita! Segundo pelotão, neste outro, à esquerda. Têm minutos de tempo. Desfaçam a formação. Giovanna, temos minutos. Venha, venha. Giovanna Radio Sim. -Voltarei logo da Rússia. -Sim. -Vou lhe trazer umas peles. -Sim. A guerra acabou! Acabou! Você, venha aqui! O que disse? -Acabou o quê? -A guerra! MILÃO SAÚDA OS HERÓIS SOBREVIVENTES DA RÚSSIA Mario! Gianni! Maria! Maria! -Maria! -Giulio! Maria! Conhecia-o? Este é o Antonio. Ele está vivo? -Estivemos juntos no rio Don. -Ele está vivo? Talvez. Não sei. Como não sabe? Pare! Não consigo caminhar. Estou esperando há tanto tempo o momento de encontrar alguém que me fale dele, que o viu, que o conheceu. Ouça, não consigo ficar de pé. Venha se sentar. Ele está vivo? Falou com ele? Onde o viu? Onde o deixou, da última vez? Diga-me onde o deixou. -Estávamos juntos. -Onde? Onde? Lá no rio Don. Era janeiro, um mês terrível. Os russos haviam nos encurralado, e nós tínhamos de sair, de qualquer jeito. Ninguém imagina, senhora, o que é a neve, se nunca esteve na Rússia. Basta ficar minutos parado para congelar. E os russos nos atacavam de todos os lados. O inferno, senhora. Estivemos dentro do inferno. A neve, o gelo, o vento que cortava o rosto, a sede, a fome, sem nunca dormir, durante noites e dias. Um inferno, senhora. Abriu, maldita! Não sinto as mãos! Não sinto as mãos! Alguém me dê uma ajuda! Aqui, tudo está queimado. -Aonde vamos? -Olhe! Caramba! Feche a porta. Não aguento mais. É um pedaço de gelo. Vamos, levante-se! Vamos! Caminhe! E depois de deixarmos a cabana Radio andamos muitos mais quilômetros na neve. Antò! Vamos, levante-se. Faça um esforço! Antò, caminhe! Antò, precisa caminhar, senão vai congelar. Quando me virava, ele fazia sinal para que eu continuasse Radio que não pensasse nele Radio -E não o vi mais. -Não o viu mais? E deixou-o no meio da neve, sem uma ajuda, naquele frio, acabado? -O que mais poderia fazer? -Não havia alguém para ajudá-lo? Que tipo de gente são vocês? Não sei. Talvez alguém o tenha ajudado. Ouça Radio Entre Radio vou fazer café. Não Radio café me faz mal. Não posso tomar. Estou tão contente por vê-la, senhora. Quer um pouco de leite? Não, não. Obrigada. -Umas cerejinhas? -Não. Não mesmo. Sente-se, então. Sente-se. Senhora, sinto que ele está vivo. Não morreu, não. Mas, se está vivo, por que nunca escreveu, nem a mim, nem a você? Por que não voltou com os outros? Eu quero ir lá. Vou tentar. Agora, os jornais dizem que mudou tudo lá. O Stalin está morto e sepultado. Não pode ser impossível ir lá! Vou tentar e ainda que seja impossível vou tentar mesmo assim. -Na Rússia? -Sim, na Rússia. Já se passaram tantos anos! Esta Radio é a última foto que ele me mandou. Veja Radio ele devia passar calor, com tanta roupa. O que acha? Um soldado tão agasalhado não morre. Ele está vivo. -“Spassiba”. Diz-se assim? -Isso, “spassiba”. Eram soldados italianos. Os civis russos prisioneiros, a mando dos alemães, tinham de cavar fossas para os sepultar. Vê, senhora? Cada girassol, cada árvore, cada campo de trigo Radio esconde os corpos de soldados italianos, russos e alemães, e até corpos de muitos camponeses russos. Velhos, mulheres, crianças. Tenho certeza que meu marido não está aqui. O Antonio está vivo. Precisa apaziguar seu coração, senhora. -Não há italianos vivos na Rússia. -Não é verdade. Na Itália, consta que há feridos e os que não se lembram de mais nada. Sim, pode acontecer. Eu conheço alguém que veio a Moscou, para ver um jogo de futebol, e viu um desses italianos. Falou com ele. -E que ele disse? -Sei lá o que ele disse? Sei que é verdade. Minha nossa! Esta lápide homenageia os seus compatriotas. É de um poeta russo: Mikhail Saplov. “Jovem filho de Nápoles Radio o que o trouxe aos campos da Rússia?



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *