Radio Regional FM 98.1

Radio Regional FM 98.1, Radio Regional FM 98.1 ao Vivo Online

Eu não quero fazer.” Às duas da manhã, houve um alerta. Krupki estava completamente rodeada por companhias de fuzileiros e nossas companhias de metralhadoras. Entramos nas casas e dissemos: “Saiam. Vão para a praça do mercado!” Os judeus são levados para fora da cidade, a um pântano próximo. Havia valas profundas nos pântanos. Tão profundas como esta casa. De repente ouvimos: “Alto, todo mundo!” “Soldados, recuem.” E mais tarde quando nos levaram à vala disseram: “Vamos matá-los… uma família por vez.” Tinham que descer uma ladeira e sentar-se com as cabeças abaixadas. As profundas valas estavam por trás deles. Então, de dez em dez, tinham que tirar as roupas e um após o outro tinham que ficar de pé diante da vala. Soldados da Wehrmacht vigiam o lugar enquanto as execuções são feitas. As bordas das fossas comuns estão forradas de tábuas. Colocavam duas tábuas bem largas ali e os familiares se abraçavam enquanto os alemães disparavam. Tinham uma espécie de pequena metralhadora e disparavam à vontade. As pessoas caíam naquela vala. Eles disparavam sempre na nuca e caíam um em cima do outro, na vala. Milagrosamente, Sofia Shalaumova sobrevive aos disparos. Estavam atirando, as pessoas caindo nas valas. Então, chegou a nossa vez. Não posso dizer se eu queria deslizar e cair naquela vala ou se simplesmente aconteceu. Em qualquer caso, estava viva quando caí. Ninguém percebeu que ela estava viva. Conseguiu escapar da fossa comum antes que a cobrissem e a ocultassem até o resto da guerra. Mas a cada dia, soldados comuns podiam topar com exemplos horríveis de desprezo de seus colegas pelas vidas dos judeus. Como a cena presenciada por Peter Schilling em Stalino, na Ucrânia, hoje em dia, Donetsk. Uma mulher grávida, obviamente grávida, com uma grande barriga, mas também segurando um bebê em seus braços, não podia subir no caminhão suficientemente rápido. E um soldado, um soldado da Wehrmacht, tomou-lhe o bebê e o jogou no caminhão… na escura seção de carga do caminhão. Então, perseguiu a mulher e a golpeou com a culatra de sua arma e obrigou-a a subir no caminhão, também. Eu estava horrorizado pelo que tinha visto ali. e perguntei a um dos guardas “Que diabos está acontecendo aqui?” E ele me disse com muita calma: “Não se preocupe.” “São apenas judeus sendo levados para o trabalho.” Ir para o trabalho, era eufemismo para execução. Em Trent Park, Heinrich Kittle conta uma típica história sobre algo que presenciou na Letônia. É antisemita e leal ao regime, mas cheio de arrogância e repugnância aos Grupos Especiais das SS. O ordenança me disse, “Coronel, deveria ir ali. Há algo que precisa ver.” “Eu apenas cheguei perto e já foi suficiente para mim.” homens foram retirados de Dünaburg e cavaram uma fossa. No dia seguinte eles retornaram, homens, mulheres e crianças, foram contados e depois os obrigaram a ficar nus. Então, das mulheres tiveram que ficar na borda da fossa, nuas. Foram executadas e caíram em seu interior. Como faziam? Ficavam de frente para a fossa, nossos homens vinham e atiravam na cabeça. Um homem dava a ordem e pessoas caíam na fossa, como se fossem bonecos de pano. Voltei para o carro e fui ver o homem das SS que estava no comando e lhe disse, ” Eu lhe proíbo de uma vez por todas, “que faça essas execuções ao ar livre, onde todos podem ver. “Se você os mata numa floresta, ou outro lugar onde ninguém possa ver, é problema seu. “Mas nossa água potável vem dos poços daqui, “e não precisamos de água contaminada com cadáveres.” O General Kittel protesta contra a execução de judeus, mas apenas porque o sigilo não pode ser garantido. E porque vê uma ameaça à água que seus soldados bebem. De fato, as unidades de reserva da Wehrmacht cooperam amplamente com os assassinatos. Em Trent Park ficou muito claro que a Wehrmacht estava envolvida em todos os mais importantes crimes de guerra nazistas. Os generais discutiam o Holocausto e a participação da Wehrmacht, o assassinato de prisioneiros soviéticos e a participação da Wehrmacht, eutanásia, a execução de reféns etc, etc. Ficou claro que não eram apenas crimes das SS, da Gestapo ou da SD, mas sim que a Wehrmacht assumiu um papel principal nestes crimes. Sem dúvida, desde o princípio, os oficiais e generais da Wermacht tentavam descarregar a responsabilidade das execuções sobre as SS. Em suas luxuosas instalações de prisioneiros, preparam uma linha de defesa. As SS fizeram coisas indignas de um oficial durante as execuções em massa. Coisas que todo oficial alemão deveria ter-se negado a fazer. Seria politicamente desejável para um oficial alemão que fosse chamado, dizer… dizer, “Não tivemos nada com este pessoal.” Mas não estou certo… se iremos muito longe dizendo isto. Eles podem contestar imediatamente: “Ah, é? O capitão Fulano… é um oficial do Exército Alemão. O coronel Fulano é um oficial. “E fizeram exatamente o mesmo que as SS.” Quando me chamarem pra testemunhar, o que eu disser, vou distorcer de tal maneira que o oficial mencionado será inocentado de toda culpa. Estou absolutamente decidido. Ainda não se sabe quantos soldados da Wehrmacht estavam envolvidos nos crimes. Mesmo que, como indicam as estimativas, tenham sido apenas %, somente no front leste seriam uns . homens. Segundo a ideologia nazista, russos, judeus e outras minorias são sub-humanos. O maior inimigo é o Bolchevismo Judeu. E muitos soldados da Wehrmacht levavam estas crenças ao pé da letra. O General Wilhelm von Thoma, um dos mais auto-críticos entre os generais de Trent Park, dá um exemplo chocante. E então o capitão diz ao tenente, “Maldição! Não suporto mais ver estas caras de curral.” Pega seu revólver e atira contra o camponês que tinha sido pessoalmente convocado, estoura seus miolos pela mesa.” Mas ele foi severamente punido, o capitão? Espere um pouco, a mulher grita: “Assassino!”, senta-se sobre o fogão com suas crianças e começa a chorar. Então o capitão diz ao tenente, “Cuide que me deixem em paz.” Ele saca sua arma e dispara contra a mulher. Ainda restam uma menina, um garoto de anos e um bebê de dois meses. De repente, “É, ela tem que morrer também”, e atira na menina. Agora é a vez do garoto de anos.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *